Circle Journal - A voz do coracao

{This is a Circle Journal about "what's in your heart?". This quote from Leonardo da Vinci means a lot to me, since creating something with my hands - by drawing or writing - is what speaks to my soul. TFL!}
Este eh o tema do Circle Journal da Eliana Brandstetter: escreva o que voce quiser, o que esteja passando pelo seu coracao naquele instante.
Eu ando repensando muito minhas escolhas "profissionais". O que eu deveria ter feito, o que eu gostaria de fazer, o que eu quero aprender, aquilo que me move. E tudo, absolutamente tudo, passa pelo caminho 'artistico".
Tenho visitado muitos blogs de design, e a cada nova descoberta, um mundo de encantamento se abre pra mim. Pode parecer ridiculo para alguns, mas cheguei a quase chorar ao assistir esta serie de videos sobre o projeto "Design by the Book", do maravilhoso blog Design*Sponge em parceria com a New York Public Library, a biblioteca publica de Nova York onde ando louca pra ir. Pela proposta, pelos artistas, pelas atividades que eles desenvolvem, pela vontade de me enfiar na biblioteca atras de inspiracao e conhecimento, pela vontade de "ser" cada um deles.
Fico muito tempo sozinha em casa, em silencio, o que me da muita margem pra essas 'caraminholacoes". Ha momentos que sofro com minhas frustracoes profissionais - minha ingenuidade e espirito 'puro", vamos assim dizer, na epoca que estive frente a frente com uma boa oportunidade , nao abriram as portas que eu queria. Outros que me sinto muito feliz quando me dou conta das coisas que eu consigo e sei fazer, ou mesmo daquilo que eu tenho de informacao e o que posso fazer a partir dai.
Mas eu sinto que nao existe um equilibrio ainda dentro de mim - entre o que eu sei e posso e o que eu realizo. O peso grande que me puxa pra baixo ou me deixa 'travada" eh uma auto-critica violenta e um nivel de exigencia alto, quase que utopico, sobre como eu devo ser e agir se quiser seguir alguns dos meus sonhos.
Alem disso, um enorme defeito meu eh planejar demais.
Atitudes impensadas do passado - pela falta de vivencia natural da idade, pela "pressa" de ver as coisas acontecendo, por nao ter quem me orientasse com propriedade - me fizeram errar algumas vezes, e eu aprendi ate demais com os erros. So que mais tarde, uma sociedade com uma pessoa insana, realmente LOUCA, me traumatizou a tal ponto, me arrasou psicologicamente, podou e penalizou minhas iniciativas criativas que passei a ser uma pessoa "medrosa". Passei a ter MEDO dos erros.
O medo virou uma autocritica cruel e paralisadora. Com isso, hoje eu planejo demais, tentando evitar estes erros, mas preciso me convencer que os erros sao inevitaveis e sao uma forma de aprimorarmos e aprendermos. E que ninguem vira me arrasar moralmente por isso.
Num papo recente com a Sandrinha - o bom-senso e a lucidez em forma de gente, alem de ser uma amiga espetacular - ela me mostrou caminhos e interpretacoes de como eu tenho que usar aquilo que gosto de fazer, qualquer que seja o rumo que minha vida tome. Porque a gente nao consegue somente trabalhar no que gosta, nem sempre o retorno financeiro necessario eh possivel, mas da pra levar uma "vida dupla" sem culpas. Eu ja fiz muito isso na vida, mas era algo meio que 'inconsciente", coisa de inicio da vida adulta, tudo muito fragil e sem grandes aspiracoes.
Hoje, com 41 anos, certifiquei-me de quanto o quanto o criar eh importante para mim - seja a criacao minha ou de terceiros. Notadamente, criar coisas que envolvam textos e imagens. Ha pessoas que se realizam com a musica, outras que sao artistas com alimentos, outras, ainda, para quem a tecnologia por si so eh um mundo de encantamento e realizacao. Pra mim, eh a imagem, ou melhor ainda: aquilo que posso ver/ler.
Amo desenhar desde pequenininha, tenho paixao pela fotografia, escrever pra mim eh um deleite, adoro inventar logotipos e identidades visuais, aprecio detalhes arquitetonicos - o detalhe no canto da janela, a paginacao do piso - enfim, pra mim, os olhos sao o caminho mais rapido pra minha alma.
Comprei um carimbo certa vez com uma frase que pra mim, significou muito:
"Where the spirit does not work with the hand, there is no art" - Leonardo da Vinci
E por, de certa forma, meu envolvimento com a arte estar sendo o motivo de minhas auto-analises e tentativas de encontrar um caminho, resolvi usar esta frase no Cj da Brands, num LO bem simples, como aquilo que eu essencialmente gosto de ser.
Usei uma foto que eu gosto e que foi tirada por mim mesma, olhando no visor da camera como se fosse um espelho (a "velha" Canon S2IS tem o visor que vira), mas sem 'espelhar" a imagem, e sim me vendo exatamente como sou.
Lixei o papel ate que ele "rasgasse" um tantinho em alguns pontos no meio da pagina.
Carimbo de cantoneiras da Making Memories - lancamento ja beeeem antigo, mas comprei recentemente pq gosto muito dele, independente de estar ou nao 'ultrapassado" - bom design nao sai de moda! Usei Distress Ink "walnut stain" Tim Holtz, da Ranger para carimbar, e tbm para a moldura da foto - batia um pincel de cerdas mais duras na carimbeira e ia passando ao redor da foto. Fiz o mesmo ao redor do carimbo. Para o efeito esfumacado em volta da pagina, usei a ferramenta aplicadora de distress, que parece um carimbo antigo de madeira, mas tem uma especie de espuminha embaixo - ADOREI esta ferramenta!!
Carimbei as flores ate que perdessem o 'vivo" da cor - eram muito "acesas" para o estilo da pagina - e como miolo usei uns brads que gosto muito tbm da Making Memories.
Na pagina do texto, Dymo (com a fonte da nova Caption Maker) e um carimbo lindo da Heidi Swapp, onde as letras do alfabeto nem sempre tem o mesmo estilo. Carimbei com a Distress tbm e apliquei Distress Powder Vintage Photo, que da um aspecto rustico e uma certa textura 'enferrujada".
No cantinho, carimbo da Projeto Artes e mais um da mesma colecao da Making Memories.

Espero que a Brands goste, foi feito com muito carinho.
E que voces me desculpem essa 'sessao terapia" pra mostrar duas pagians de CJ! :o)
No proximo post vou colocar o Cj que fiz pra Ana Carolina, onde alterei um papel discretamente com alguns carimbos - nao vivo + sem eles!
Beijinhos e boa sexta-feira!